domingo, 24 de janeiro de 2010

CONVOCATÓRIA para o debate do Movimento Estudantil Classista e Combativo em Porto Alegre!

Participe do debate organizado paralelo ao FSM:


“As tarefas da Luta Estudantil Combativa para 2010.”


Local: Escola Técnica Parobé, Avenida José Loureiro da Silva, 945 Porto Alegre-RS

Hora:14h

Dia: Quinta-Feira (28/01/10)




As tarefas dos estudantes combativos para o início de 2010 os chamam a analisar dois eventos de grande importância no encadeamento das políticas da burguesia brasileira para a contenção das massas trabalhadoras no país: 1)As Eleições e 2) o Fórum Social Mundial. A primeira tem importância vital na manutenção do Estado Burguês e suas instituições corruptas e assassinas, ditas democráticas. Os escândalos de corrupção em Brasília (Arruda – DEM), no Rio grande do Sul (Yeda - PSDB), no Senado Federal (Sarney – PMDB), ou os massacres no campo e nas favelas, são apenas alguns indícios de uma estrutura e de um jogo de cartas marcadas que deve ser combatida e não disputada pelos estudantes e trabalhadores. Já o FSM, se apresenta como uma grande nova artimanha burguesa, que tem a fachada das ONG’s e partidos como o PT, PC do B e etc, objetivando a construção de um suposto capitalismo humano, tem o papel de acorrentar os trabalhadores nas dinâmicas assistencialistas e parlamentares, impedindo assim o avanço da luta independente e classista.


Enquanto isso nas universidades e escolas brasileiras, os filhos da classe trabalhadora continuam suportando os ataques neoliberais e sendo ensinados a esperar as migalhas de uma cidadania falida. Projetos como o Movimento Todos Pela Educação, que reune grandes empresas, multinacionais e o governo federal avançam a todo vapor, concedendo direitos e verbas a iniciativa privada para atuar no ensino médio público, como foi o Tele Curso da Fundação Roberto Marinho criado nas escolas do DF, MT(dentre outros). Nas universidades a adequação aos novos modelo de acumulação burguesa se dão com aumento e a regularização das fundações de direito privado (afundadas em corrupção), as metas de precarização do REUNI , as empresas junior’s, a terceirização e outros exemplos que não faltam. Mas que não foram suficientes para organizar um processo de resistência nacional com ação direta como foi visto no Chile em 2006.


Ao final de 8 anos de Governo Lula grande parte destes pacotes neoliberais foram implementados ou estão em andamento. A UNE e as correntes governistas que a dominam a 2 décadas, PC do B, PT, PDT etc tiveram função central na fragmentação da resistência dos estudantes, cumprindo papel de braço do governo e serviçais da aliança com a burguesia brasileira realizada por seus partidos. Já o PSOL, que a muito demonstrou seu oportunismo na sabotagem da CONLUTAS através da construção da Intersindical e na defesa da FOE/UNE, nestas eleições sai do armário de vez e anuncia uma possível aliança com o burguês Partido Verde. O PSTU que se auto-anuncia na sua candidatura independente, não pode esconder que durante esses anos subordinou as únicas iniciativas anti-governistas e independentes a uma suposta infalível unidade e consenso com o mesmo PSOL e com a burocracia sindical e estudantil da UNE, CUT, CTB, Força Sindical e etc, nos atos e frentes unificadas.


Portanto, a reconstrução de um movimento estudantil classista e combativo no Brasil não pode estar a reboque e sob a direção dos partidos governistas e para-governistas. A estratégia do movimento estudantil de uma reconstrução desde a base, deve estar pautada na construção de oposições que defendam de forma intransigente um programa classista, combativo e anti-governista. Da mesma forma que a ação direta estudantil proletária e a democracia operária devam se tornar elementos centrais de nossa estratégia e organização. Só a partir daí poderemos reconstruir nossas entidades de base. Desta forma, não podemos esperar muita coisa da recém criada ANEL, do seu apoio a parlamentares, de seus acordos rebaixados de cúpulas com a FOE/UNE e da sua estratégia central para o próximo período que é a defesa de projetos de lei.


Por isso, a Rede Estudantil Classista e Combativa, o Grêmio Parobé e demais organizações políticas, fazem um chamado aos estudantes sinceros que estão insatisfeitos com o quadro atual do Movimento Estudantil, a virem se organizar conosco e discutir a construção do embrião que vise culminar na edificação de um movimento nacional de oposição sindical, popular e estudantil.

Em defesa da Ação Direta Estudantil Proletária!

Conquistar na Luta o Passe Livre e a Assistência Estudantil!

Nem ENEM nem vestibular, Livre Acesso Já!

Convocam:

Rede Estudantil Classista e Combativa

Grêmio Parobé

União Popular Anarquista

Luta Marxista

3 comentários:

Leandro da Silva disse...

Olá!

Solidário aos companheiros apresento um blog próprio para a discussão do Grêmio Livre que fora criado para reunir informações sobre o assunto, após anos de militância.

http://porumgremiolivre.blogspot.com/

Muita força na luta!

andre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciano disse...

O recc só tem zé ruela! Anarquismo é para otario!